"Agrada-te do Senhor, e Ele satisfará os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais Ele fará." Sl37: 4-5















domingo, 12 de novembro de 2017

Semana Punk!

Oi gente, como vcs sabem, a vida de uma mãe que trabalha por si só já é corrida. Leva, pega, corre, trabalha, faz comida, limpa casa e etc. Quando aparecem coisas extras, situações inesperadas que surgem sem aviso, ai a vida vira de cabeça pra baixo mesmo, e foi o que aconteceu nessa semana.
Na terça, no dia 7, uma amiga entrou em trabalho de parto prematuro. Como a maioria dos imigrantes, ela está aqui sem família. O marido ficou com as duas crianças pequenas e minha filha e eu fui com ela para o hospital para facilitar a comunicação em inglês.
O bebê nasceu um pouco antes do tempo e foi levado para a UTI. Foram 4 dias correndo de um lado para outro conciliando vida pessoal e profissional, afinal, não importa o que a gente está passando nos corredores de um hospital o mundo do lado de fora não para.
Graças a Deus o bebê está melhor, já está na ala pediátrica com a mãe, mas assim que ele melhorou o irmãozinho dele de 3 anos começou a vomitar com sinal de virose, logo depois meu marido e em seguida a minha filha. De ontem pra hoje eu passei a noite limpando vômito e cuidando da minha filha e do meu marido e a criança de 3 anos ficou com o pai, que está se revezando entre o hospital e a casa.
Pense numa pessoa exausta! Eu! mas agradecida a Deus pq estão todos com sinal de melhora.
Estou feliz tb que amanhã é feriado e eu espero poder descansar um pouco antes de voltar ao trabalho na terça.
Mas eu gostaria de dizer que eu vivi momentos especiais nesses dias e um deles foi no sábado. Eu levei minha filha para a aula de costura e quando eu estava saindo a minha amiga que dá a aula pediu para eu esperar. Ela tinha feito um jantar maravilhoso para a minha outra amiga que estava no hospital. Elas não se conhecem, mas quando eu contei sobre a situação ela logo se prontificou, fez a comida e enviou. 
Talvez vc esteja lendo esse post e nunca tenha passado por situação parecida, mas eu sei o quanto esse cuidado é especial. Lembro com muito carinho de todas as pessoas que Deus usou para cuidar de mim quando minha filha nasceu nos EUA. Lembro das pessoas que oraram, que foram a minha casa, que seguraram a minha mão no hospital, que levaram comida, enfim, que estiveram comigo.
A gente que mora em um país distante da família, longe dos pais e irmãos, está a mercê de um dia precisar da ajuda de estranhos.
Eu lembro que quando fiz uma cirurgia ano passado o diretor da escola da minha filha se prontificou a enviar as mães da escola para me ajudar. Não foi necessário, mas o cuidado dele tocou no meu coração.
Eu acredito que nos momentos difíceis Deus não vai descer do céu e nem se materializar para nos socorrer, Ele vai usar pessoas como instrumentos para nos abençoar. Nem sempre os instrumentos do Senhor são os nossos amigos, familiares ou pessoas próximas, muitas vezes são desconhecidos com o coração aberto para ouvir a voz de Deus.
Que Deus abençoe a nossa semana e nos dê muitas vitórias.


domingo, 29 de outubro de 2017

Tem muito para ser feito

Hoje no culto da manhã um casal jovem da igreja anunciou que em breve estará saindo para o campo missionário.
Eles já vinham se preparando há 3 anos e vão continuar a estudar a lingua e a cultura do país por mais um ano até viajarem em 2018.
Eu fiquei ouvindo a pregação do rapaz hoje, o amor que com ele falava em alcançar o coração das pessoas e o peso da responsabilidade cristã caiu pesado sobre mim.
Eu lembro da época que eu comecei a frequentar a igreja evangélica nos EUA e que o pastor ministrava sobre missões, as lágrimas rolavam nos meus olhos. Pq na minha cabeça as pessoas que saem da sua zona de conforto para alcançar vidas são pessoas que entenderam de fato a mensagem do amor de Deus e estão dispostas a viver e a morrer por essa mensagem.
Quando vc ouve os testemunhos de missionários vc fica impactado com o agir de Deus na vida deles. É sobrenatural! A dificuldade é grande, os desertos são difíceis mas Deus cuida deles nos mínimos detalhes e isso é fascinante!
As vezes eu escuto pessoas de igreja dizendo que todos somos missionários. Eu até entendo a forma como elas interpretam, mas eu tenho um cuidado com essa palavra. Um missionário, ao meu ver, é uma pessoa que abriu mão, literalmente, da sua vida para alcançar a vida de outras pessoas. É uma pessoa que deixou de lado a sua carreira e os seus sonhos para viver o sonho de Deus.
Eu tive o privilégio de conhecer alguns missionários e em todos eles eu vi paixão por vidas e desapego das coisas desse mundo.
Na época que eu vivi no Brasil entre o período dos EUA e o Canadá, eu fui abençoada pela vida de um casal de pastores missionários. Eles deixaram suas carreiras em Belo Horizonte e abraçaram uma cidade bem pequena no interior de MG. Com as próprias mãos levantaram uma igreja e deram suas vidas para que as pessoas daquela cidade conhecessem o evangelho.
Agora com a idade mais avançada, ao invés de parar e descansar Deus colocou no coração do pastor um amor, sem explicação lógica, pelos índios de lá. Pensem num trabalho árduo, duro, sofrido... mas ele não larga por nada. Está lá servindo pessoas que não conhecem a Deus.
Claro que Deus prepara cada pessoa de um jeito e eu não sinto que eu tenha esse chamado para viver numa tribo... Mas na pregação de hoje o rapaz falou uma coisa interessante, ele disse que nós vivemos em uma das cidades mais multiculturais do mundo e que aqui temos a oportunidade de compartilhar o amor de Deus com pessoas de diferentes culturas, línguas e nações. É verdade! 
Eu tenho visto Deus trazer para cá muitos brasileiros cristãos e eu penso que isso é um mover de Deus para que as pessoas daqui conheçam o evangelho. Esses brasileiros podem estar vindo pra cá pela segurança, pelo qualidade de vida e não para uma obra missionária, mas eles podem ser usados por Deus para alcançar as pessoas sem esperança.
Se vc ainda não conhece Vancouver vc vai ficar chocado de saber que a população de moradores de rua não para de crescer e que centenas de pessoas morrem de overdose todos os anos. Isso não é por falta de apoio do governo, mas sim pelo uso de drogas e álcool.
Agora que estou trabalhando no centro eu vejo dezenas de pessoas dormindo na rua com travesseiros e cobertas, pessoas que estão mortas por dentro e não sabem.
Enfim, esse post é só pra me lembrar de lembrar vcs que tem muito a ser feito e poucas pessoas dispostas a fazer.
Uma semana abençoada pra todos nós.



domingo, 15 de outubro de 2017

Eu ser realista?!

Oi gente, depois do último post, no qual eu falei das dificuldades de minha filha na escola, eu tive uma reunião com o novo diretor e a counsellor. Eu confesso que esperava mais do diretor. Ele me irritou com as colocações dele tentando me convencer que minha filha tem problema e que ela está sendo bem assistida, muito melhor do que se estivesse na escola pública. Teve uma hora que ele disse "You have to be realistic..." e ele falou algo que deu a entender que eu tinha que aceitar as coisas como elas são. Claro que eu não concordei com ele, se eu fosse o tipo de pessoa que aceita as coisas como elas são eu nunca tinha saído da minha cidade e do meu país, tinha ficado lá aceitando como as coisas são... Eu tenho até medo de mim, queria eu aceitar mais as coisas como elas são, pq talvez assim eu me contentasse mais... Não, eu não sou assim, eu acho que devemos sempre fazer mais, arriscar mais e correr mais atrás das coisas que acreditamos. 
O caminho não é fácil e muitas pedras vão surgir para nos fazer tropeçar e desistir, mas faz parte. a gente cai e levanta.
Esse processo todo com minha filha somado com estresse de trabalho, de vida, me deixa muito no limite e me faz questionar se eu não estou falhando de alguma forma. 
A counsellor me disse que eu sou uma das poucas mães que defende os interesses do filho e faz tudo o que está ao alcance para ajudar, mas na minha cabeça eu sempre acho que poderia fazer mais.
Eu estou estudando com minha filha e estou ciente das dificuldades, mas eu acredito que com o tempo e a maturidade as coisas vão se ajeitar. Eu mesma fui péssima aluna por muito tempo, até  entender a minha melhor forma de aprender.
Uma coisa que me chama atenção aqui no Canadá é a falta de apoio para as crianças diferentes. Tudo é pago e é muito caro! o suporte que as escolas públicas dão é muito pouco comparado com a necessidade. 
Saiu até numa matéria de TV aqui uma reportagem sobre um grupo de pais de crianças especiais que se juntaram para cobrar do governo mais estrutura para seus filhos nas escolas. Eu pensei que só eu estava sentindo isso, mas vi que muitas famílias estão passando pela mesma coisa.
Me inscrevi no grupo e estou recebendo todas as informações sobre o assunto.
Bom, vou ficando por qui. Que Deus abençoe a semana de vcs.

domingo, 1 de outubro de 2017

As lágrimas da semana

Oi gente, tenho estado super ocupada com o trabalho e quando consigo um tempo livre prefiro me desligar do mundo. Mas nesse final de semana eu consegui recarregar as minhas energias e estou aqui pra dividir um pouco da minha vida com vcs.
As últimas semanas têm sido muito difíceis pra mim! Na primeira semana de setembro minha filha voltou para a escola e eu fui na sala dela para uma apresentação dos professores sobre como seria o ano letivo. Eu sentei na cadeira dela e resolvi abrir os cadernos e encontrei tudo em branco e alguns desenhos. Ela ama desenhar!!! puxou isso de mim! acho até que tem mais talento do que eu.
Mas as páginas em branco me mostraram o quanto ela está atrasada! Na quarta série no Brasil eu já escrevia longas redações, fazia cálculos, tinha aula de ciências, história, geografia e etc.
Depois da apresentação fui até a tutora da escola para saber o que seria feito com a minha filha durante o ano, já que ela está entrando no grade 4 com nível sabe lá de quê! Em 3 anos ela teoricamente vai ir para o segundo grau, mas eu não vejo como.
Aqui no Canadá a criança com dificuldade não reprova. A escola cria um programa especial e a criança continua passando de ano com o resto da turma mesmo não tendo condições. Eu entendo o lado positivo para o emocional, mas no lado prático eu, sinceramente, duvido que funcione.
Minha filha tem dislexia e deficite de atenção. Ela tem tutora na escola e fora da escola, ela tem fonodióloga e psicóloga. E não pensem que isso é dado pelo governo, pq não é. Tudo custa dinheiro e é caro! Ela tem tido progressos, mas, ao meu ver, muito lentamente. 
Para ajudar eu comecei a estuda com ela em casa, mas é complicado pq o que eu sei de ensino foi o que aprendi no Brasil e aqui as coisas são diferentes. Mas eu realmente não vejo outra opção. Eu e meu marido ficamos arrasados quando ela chorando nos disse que achava que não conseguiria aprender.
Me senti tão impotente vendo o pânico dela! o que podemos fazer estamos fazendo e ainda é pouco. Existem escolas especiais para crianças com dislexia e dificuldade de aprendizado, mas um ano custa $30 mil dólares e isso multiplicado por 6 anos de estudo é um dinheiro que eu não tenho. Fiquei de visitar uma dessas escolas em novembro para ver as opções de pagamento, mas é só um milagre de Deus! 
Eu cheguei ao ponto de cogitar passar um tempo no Brasil de tão preocupada que fiquei. 
Mas eu não posso ir para o Brasil, EUA ou qualquer outro lugar sem antes Deus me direcionar. Estou orando por um direcionamento. Eu sei que esse problema comparado a muitos outros que eu já enfrentei é pequeno, mas eu quero ter a certeza que fiz tudo o que podia fazer.
Eu tenho uma mãe que mesmo com muitas dificuldades se sacrificou para que eu e minhas irmãs tivéssemos uma educação de qualidade. Não tive luxo, mas estudou nas melhores escolas e só não fiz mais da minha vida acadêmica quando jovem pq fui imatura, mas eu tive oportunidade de ser o que eu quisesse ser, pq as ferramentas para isso eu tive. Então, eu quero que minha filha tenha o mesmo.
Eu acho que toda essa história me deixou mais sensível do que eu já sou e eu tive dois momentos no espaço de uma semana que me tocaram profundamente:
1- Fui visitar semana passada a bebê de um casal de amigos que nasceu bem pequenininha. Graças a Deus ela está bem e já teve alta, mas quando eu fui vê-la semana passada ela estava no NICU (Neonatal Intensive Unit) e entrar no NICU me trouxe grandes emoções. Na hora que eu pisei no NICU me veio um filme na cabeça de tudo que eu passei na minha primeira gestação. Já se passaram 10 anos, mas basta uma coisinha pra eu relembrar de cada segundo e cada lágrima derramada. Mas a vida segue e glória a Deus que as lágrimas e a dor não me impediram de seguir em frente.
2- Ontem foi dia de Food Bank e foi um dia muito especial. Um grupo de voluntários de outra igreja veio me ajudar e a experiência foi maravilhosa! Mas enquanto eu ajuda uma pessoa a fazer o cadastro, um dos voluntários me chamou para falar com uma mulher que estava chorando. Eu sentei perto e ela estava com um filhinha no colo e chorava copiosamente. Eu perguntei se eu podia ajudar em alguma coisa e ela me disse que estava bem, mas estava chorando pq não estava acostumada a ir ao Food Bank. Na hora as lágrimas vieram aos meus olhos pq eu senti a dor dela. A vida da gente tem altos e baixos e, sem dúvida, ela estava vivendo um momento difícil.
A gente nunca pensa que vai precisar receber uma cesta básica, mas sabe lá Deus os caminhos que a nossa vida pode tomar. Aquela mulher estava com a filha nos braços. Talvez ela seja mãe solteira e tenha ficado desempregada, talvez ela não tenha família, talvez as dívidas a desestabilizaram, enfim, são muitos os motivos que podem levar uma pessoa a precisar de ajuda, mas a boa notícia é que existe um lugar de apoio e aqui no Canada se chama Food Bank.
O Food Bank não é um lugar de julgamento. O Food Bank é um lugar de receptividade, solidariedade, socorro e amor. Eu sou grata pela oportunidade de fazer parte de um trabalho lindo como esse!
Uma semana abençoada para todos nós! 
Seguem algumas fotos dos voluntários de ontem :)











domingo, 10 de setembro de 2017

Meus updates

Oi gente, mais uma vez a minha vida ficou muito corrida e eu não pude atualizar o blog, mas consegui arrumar um tempinho pra dividir com vcs as minhas experiências.
Bom, mil coisas têm acontecido como por exemplo o início do ano escolar da minha filha, a chegada de amigos, crescimento do grupo de estudo bíblico, enfim. Hoje mesmo teve um almoço das nações na igreja, onde eu e alguns amigos servimos feijão tropeiro, pão de queijo, purê de mandioca e brigadeiro.
Eu pensei que o povo ia ficar com medo de experimentar a comida, mas a grande maioria arriscou, muitas pessoas voltaram para repetir e recebemos elogios. Teve um garoto chinês que voltou só pra pegar pão de queijo, mas ele não pegou um pão a mais, ele pegou uns 7 de uma só vez e ainda deu um sorrisinho amarelo pra mim.
Uma das grandes vantagens de se morar em um país multicultural é vc ter a oportunidade de conhecer pessoas e experimentar novos sabores.
Eu mesma comi da comida brasileira, mas comi também do Butter Chicken indiano que eu sou fã. É picante, mas eu gosto mundo. Pra quem não conhece ele lembra o strogonoff, só que com curry.
A igreja que eu frequento tem muitos filipinos, chineses e japoneses, mas os brasileiros estão chegando pouco a pouco. 
Uma das coisas que tem chamado a minha atenção é que Deus tem trazido muitos cristãos pra cá. Semana passada eu visitei um grupo de estudo bíblico na Willington Church em Burnaby e eu fiquei impressionada pelo tamanho! não era mais um grupo, era uma pequena igreja brasileira dentro da igreja canadense. Eles tinham até um pastor brasileiro! 
Mês passado eu fui num chá de bebê em uma igreja canadense em Surrey, a World of Life, cujo pastor é brasileiro e uma grande parte dos membros da igreja tb é brasileira. Glória a Deus por isso! que venham pessoas boas e corretas para essa grande nação! pessoas que venham somar e não diminuir.
Mudando de assunto, ontem choveu pela primeira vez depois de muito tempo sem chuva e é como se o tempo estivesse me dizendo: Se prepara, Renata, que o inverno está chegando :( Não quero nem pensar! Tava tão bom o clima ameno, eu andando de short e chinelo... em breve vou ter que reorganizar o closet, guardar as roupas de verão e colocar todos os casacos e calças pra fora... Fazer o quê?! é a vida no Canadá.
Bom, vou ficando por aqui que amanhã a correria recomeça :) Que Deus abençoe a nossa semana e nos dê grandes vitórias!
Uma boa noite pra vcs.

domingo, 27 de agosto de 2017

Sobre os que estão chegando

Oi gente, é bom começar a semana sabendo que vencemos mais uma, que até aqui o Senhor tem nos ajudado e que Ele está conosco não importa o quão grande seja a montanha que temos que escalar... Ele nos fortalece e nos guia.
Na sexta passada eu fui para um reunião de brasileiros e eu vi muitos brasileiros recém-chegados em Vancouver, ouvi muitos testemunhos que tocaram o meu coração. Não pelo que as pessoas falaram, mas pelo que eu conseguia enxergar na vida delas.
Quando eu estava com 19 pra 20 anos meu pai saiu do Brasil para recomeçar a vida nos EUA. Ele estava separado da minha mãe e a convite de um grande amigo ele resolveu sair do Brasil. 
No dia que eu fui deixa-lo no aeroporto eu chorei e voltei para casa com o coração partido pq eu consegui entender o quanto era difícil para uma pessoa mais madura deixar uma vida toda pra trás para mergulhar no desconhecido.
Assim como eu senti pelo o meu pai eu senti nessa reunião quando ouvi os relatos de pessoas acima dos 40 ou 50 anos que estavam chegando para começar a vida no Canadá. Não é fácil! é preciso ter um controle emocional e muita determinação para não desanimar. 
Na reunião mesmo foi dito pela organizadora que muita gente chega e muita gente vai embora por não se adaptar a vida aqui.
Eu costumo dizer que a imigração não é pra todo mundo e que se for em casal os dois têm que estar em comum acordo, pq a adaptação é punk!
Por outro lado não é fácil ficar no Brasil tb se não houver perspectiva de melhora.
Tenho ouvido muitos relatos de pessoas que perderam ou estão em risco de perder seus empregos, muita gente virando Uber e muitos tendo que se reinventar para não chegar numa situação crítica. E entre passar aperto no Brasil e passar aperto num país de primeiro mundo eu te digo que é melhor passar aperto em um país de primeiro mundo :) Outro nível.
Inclusive eu gostaria de deixar um convite aos brasileiros que estão aqui e, por acaso, possam estar passando por um momento difícil: visitem o Food Bank. Eu sou voluntária no Food Bank de Richmond e eu garanto que é uma boa ajuda para as pessoas que precisam.
Quando eu participei do treinamento para ser voluntária no Food Bank uma das coisas mais faladas pelos organizadores era que nunca fosse questionado o pq de uma pessoa precisar ir ao Food Bank. O custo de vida aqui é muito alto e ficar desempregado por 2, 3 meses pode deixar uma pessoa numa situação difícil, pq as contas não param e são altas.
Bom, vou ficando por aqui! Que Deus abençoe a nossa semana e nos dê muitas vitórias.


domingo, 13 de agosto de 2017

A palavra de hoje é perseverança

Oi gente, chegamos ao mês de agosto e a única coisa que eu consigo pensar é que o ano está voando!!! Como o tempo tem passado rápido! Mas o lado bom é que eu sinto que tenho aproveitado bastante. Posso dizer com toda certeza que até aqui o Senhor tem me sustentado.
Hoje eu tive uma reunião com a liderança da igreja e o pastor me disse que eu sou uma pessoa perseverante e eu fiquei pensando sobre isso.
Eu fui daquelas crianças que começava um esporte e largava logo depois, nunca fui muito de ficar fazendo a mesma coisa e acho que foi um dos motivos pelos quais eu entrei na faculdade de publicidade. Eu queria fazer coisas diferentes e criativas o tempo todo para não enjoar.
Mas depois da faculdade, já envolvida na igreja, eu conheci um pastor que não era dos mais eloquentes ou estudado, não era daqueles mais famosos e respeitados, mas ele me ensinou muita coisa e uma delas foi ser perseverante.
Ele era responsável pelo grupo de oração que orava antes dos cultos e esse é o tipo de trabalho que ninguém dá muita importância. Cansei de chegar e vê-lo sozinho de joelhos orando. As vezes tinha mais gente, as vezes menos e muitas vezes só tinha ele.
Parece bobagem, mas a perseverança dele, o amor que ele tinha pela obra de Deus, a responsabilidade dele com o trabalho que lhe foi confiado tocaram meu coração profundamente.
O Senhor recolheu esse homem de Deus há alguns anos, mas até hoje o que vi da vida nele me influencia e eu sou grata a Deus por isso. Toda vez que eu penso em desistir de alguma coisa eu lembro desse pastor.
Eu sei que os caminhos são difíceis e nem sempre alcançamos o nosso objetivo sem antes ter que lutar muito, mas a cada passo que damos nos tornamos mais fortes e sábios.
Já passamos metade do ano e quando eu penso em tudo que já aconteceu até aqui eu vejo que valeu a pena não desistir. Ainda tem muito caminho para ser percorrido, mas se Deus quiser, com muito trabalho e dedicação nós chegaremos lá.
Que Deus abençoe muito a nossa semana e nos dê sabedoria para encarar a vida de frente.